Resultados da busca para o termo: label/Veneza

Como organizar uma viagem romântica em 5 passos!

Planejar uma viagem romântica não é das tarefas mais fáceis. A gente imagina um conto de fadas, mas por onde começar? Como fazer ele acontecer? Por isso, fiz uma lista de cinco itens que aprendi que são fundamentais para uma viagem ser cheia de amor e romance:

Viagem+romântica+ +disney Como organizar uma viagem romântica em 5 passos!

1. Hotel – Escolha o melhor hotel que você puder pagar. Em uma viagem romântica o hotel faz toda a diferença. A piscina, o serviço, o local. O ambiente faz a diferença. Vocês vão ter a cumplicidade de lembranças lindas.

Dependendo do hotel, aproveite para ver se tem uma suíte ou pacote de lua de mel, mesmo que seja apenas uma viagem romântica. Vai criando o clima de amor no ar.

2. Destino – Pense bem no destino. Alguns locais convidam ao romance, ao amor. Veneza é a minha paixão, quem acompanha aqui sabe. Parece pouco original, mas o romance depende muito do cenário escolhido.

Porém, se você já está de viagem marcada, mas quer surpreender o amor, separe um ou dois dias da viagem para o romance.

Eu fiz isso na Tailândia no início desse ano. Estávamos viajando por Dubai, Índia, Malásia, Camboja e Tailândia. Nos nossos últimos dias em Bangkok, antes de voltarmos para o Brasil, ficamos num hotel 5 estrelas cheio de regalias e curtimos o entardecer na maravilhosa piscina com vista panorâmica. Sem pressa… Quer ver? Já conto os dias para voltar lá: Hotel em Bangkok.

Uma viagem longa pode ser cansativa e estressante, esses dias para relax ajudam a fechar com chave de ouro.

3. Comida – Ela deixa recordações infinitas. Procure saber se no hotel onde vão se hospedar tem algum serviço especial para um jantar romântico, por exemplo. Ou busque nos arredores os restaurantes que valem uma visita. A comida e um bom vinho sempre combinam com uma viagem romântica.

4. Roteiro -Nada de roteiro apertado.  Viagem romântica é para curtir o momento, sabe aquele acordar tarde, relaxar, fazer charme…?  Esse é o momento. Uma coisa que aprendi é que destino de correria, daqueles que você tem que correr diariamente para conhecer todos os pontos interessantes, não pode ser seu destino romântico. Ou faça uns dias para conhecer tudo e uns dois ou três para virar rainha e rei. Acordar cedo, desvendar mapas, bater cartão em monumento não é lá das coisas mais românticas.

5.  Faça escolhas – Fique menos, mas fique melhor. Sim, não é aquela viagem que você tem que contar pelo tempo, mas pela qualidade da experiência. Se só der para três dias de puro romance, se hospedando bem, comendo bem, que seja. Mas faça tudo parecer perfeito, como um conto de fadas, mesmo que dure apenas o período da viagem…

Boa sorte na organização da sua viagem romântica!

Destinos românticos, hotéis românticos. Vou fazer um outro post com sugestões para vocês.

Beta Rodrigues conta… "Como foi a minha primeira vez!"

Viajar sozinha depois de ter viajado a vida inteira acompanhada? Qual a expectativa para esse momento? Solidão? Abandono? A Beta Rodrigues conta como foi a sua… Primeira vez!

Beta+assisi Beta Rodrigues conta... "Como foi a minha primeira vez!"
Beta em sua viagem sozinha por Assisi

"Já havia viajado antes, muito, com meu ex-marido, com meus filhos e genro, mas seria
a primeira vez sozinha, a primeira de uma série no meu novo ciclo!

Me preparei durante uns 8 meses. Estava decidido, depois de me recuperar de um
problema de saúde, a vida teria um novo significado para mim. Então iria para a Itália 
conhecer a minha primeira netinha.  Iria para Assisi, conhecer a cidade de Francesco e Chiara di Assisi, e depois para: Perugia, Cinque Terre, Venezia e outras cidades daquela região.

Entrei num curso de italiano e me dediquei muito. Nos últimos dias antes da viagem quis 
fraquejar, me bateu um medo... De tudo! Do avião, da claustrofobia, de travar a língua e não lembrar uma só palavra do italiano! Mas meus colegas de aula e minha professora querida, 
Karina, não deixaram dúvidas:  

Eu tinha de ir. E pronto. Daria tudo certo. Minha professora me emprestou um chip
telefônico da Itália e me ligou várias vezes. Adorei! Mas o que mais me surpreendeu foi saber como é bom viajar sozinha!
Beta+cinque Beta Rodrigues conta... "Como foi a minha primeira vez!"
Cinque Terre – Itália
É como estar solta no mundo! Você é responsável por seus atos e só! É só ser você 
mesma!  Sem máscaras, sem sobrenome, sem casa, sem sociedade, sem pai, nem mãe.
Ninguém conhece você, e você não conhece ninguém. Um dia você come com violino e
copos de cristais, no outro um sanduba na calçada!

Tá certo que tem regras. Se você não estiver no trem... ele parte sem você! Tem de andar 
na "linha" rs.

beta Beta Rodrigues conta... "Como foi a minha primeira vez!"

Tem uma citação, de um fotógrafo daqui de Curitiba que se encaixa muito bem ao que
senti nessa minha primeira viagem sozinha:

"Em cada cidade sou um outro de mim. Fatia fina guardada abaixo da epiderme e só
vista quando entro em contato com outras cidades.

Basta atravessar estas inúmeras linhas imaginárias que transbordo em outra
identidade, outro de mim, sem par, único naquele instante e lugar.

Este eu inexato, múltiplo, cuja a identidade se transmuta ao sabor dos sotaques e da
arquitetura, aconselha aos viajantes, experientes ou não, que realmente partam sem
olhar para trás.

Encontrarão solo virgem de seus pés e paisagens pregadas por Deus, certamente o
primeiro dos fotógrafos, prontas para serem arrancadas por olhares de gula.

Engula tudo, saboreie, perca os medos e dobre todas as esquinas, pois viajar é se
perder; e se perder novamente para, caso tenha sido um viajante dedicado, nunca mais
se encontrar."
Osvaldo Santos Lima

Beta+sorrindo Beta Rodrigues conta... "Como foi a minha primeira vez!"




Como Beta começou a viajar?

Depois de trabalhar 22 anos num banco federal, tive uma lesão na medula espinhal, que me afetou da cintura para baixo. Como sempre tive muita "garra" e fé, disse ao médico: 'Se de mil pessoas uma fica boa, esta serei eu.'.

Foi quando comecer a vencer desafios: voltei a andar e consequentemente passei a viver mais. Até que finalmente, aos 52 anos, me tornei mochileira e para poder dividir com todos minhas experiências, acabei virando blogueira. Ele é a prova da realização de sonhos que pude, posso e vou continuar realizando.

Quer conhecer mais sobre as viagens da Beta Rodrigues? Clique aqui e vá ao Férias de Mochila!

Vai viajar sozinha!? Veja esse vídeo sobre os momentos de solidão! Clique aqui!